HomeOpiniãoA Mulher e o Espelho

A Mulher e o Espelho

Olho no olho
Você costuma se olhar no espelho ? Não falo daquela olhada para se arrumar e sair. Falo de se olhar nos olhos. De se enxergar de verdade. Difícil, não é? Dá uma sensação estranha, uma vergonha e até uma certa culpa de estar ali “perdendo” tempo se olhando. Parece que o que evitamos é o que não queremos ver. Aquilo que a “correria” e a olhada rápida esconde. Mas o que pode ser? Será que ainda nos reconhecemos no que vemos?
Autoconhecimento
Esse olhar cuidadoso no espelho nos ajuda e nos conhecermos melhor. Ali fica claro se ainda enxergamos a nossa essência. Quem somos de verdade… sem máscaras e sem papéis.
Nós vamos deixando pedaços de nós pelo meio do caminho, nos perdendo de nós mesmas, nos moldando ao que esperam de nós e com isso nos apagando… Até que um dia: vemos uma estranha no espelho!
Aí a gente sente um vazio sem explicação. Sem explicação? E agora? Onde foram parar os nossos grandes sonhos? As metas individuais? Como assim individuais ? Sim, nós podemos ter nossos próprios objetivos, desejos e propósitos. Isso não é egoísmo, é individualidade. Precisamos nos conhecer para saber o que nos faz felizes. Esse é o primeiro passo para fortalecer nossa autoestima: AUTOCONHECIMENTO.
Conhecendo nossas qualidades e pontos que precisam ser melhorados, podemos nos aceitar, nos perdoar, nos orgulhar das nossas conquistas e correr atrás de aprimoramento. Porque ninguém é perfeito e tem muitas possibilidades de desenvolvimento pessoal para quem deseja crescer.
Autoconceito
Vamos pensar em um vendedor. Se ele não acreditar no seu produto, vai convencer alguém a comprá-lo? Dificilmente. Com a gente é a mesma coisa. Precisamos acreditar em nós mesmas, pois o conceito que temos de nós, estará escrito na nossa testa quando formos fazer uma entrevista de emprego, conhecer uma pessoa para um relacionamento ou em uma roda de conversa.
Se nós temos uma imagem negativa de nós mesmas, estamos fragilizadas e predispostas a aceitar qualquer coisa: migalhas, que nos subestimem, que nos desvalorizem, salários menores, relacionamentos abusivos (ih.. isso é conversa para outro dia)…
Nós somos tão legais com todo mundo… Por que somos tão críticas com nós mesmas? Precisamos ser mais carinhosas e nossas melhores amigas. Como todos à nossa volta, erramos, mas podemos aprender e melhorar sempre. Então, menos crítica e mais aceitação, queridas.
Amor Próprio
Nos conhecendo, nos aceitando e tendo um conceito positivo de nós mesmas podemos nutrir esse amor pelo que somos e pelo que ainda podemos nos tornar. Esse amor é a base para relações saudáveis com todos que nos rodeiam. Vamos pensar juntas? Uma pessoa que não se ama, que tem uma imagem negativa de si mesma, que não vê qualidades em si, pode ter um relação positiva com um parceiro, por exemplo?
O amor… o amor é troca. Essa história de “metade da laranja” é meio duvidosa. Como quem que não é inteiro pode completar outro? Primeiro precisamos ser ALGUÉM para que o outro nos veja. Ter qualidades que admiremos e que o outro admire também. Caso contrário, seremos sombra e não luz.
Mãos à Obra
Então vamos lá! Sejamos nosso maior projeto. Não dê a ninguém o poder de menosprezar seus sonhos. Eles são seus e é você que pode fazê-los se tornarem realidade.
A autoconfiança pode ser construída. Precisamos dela para termos coragem para viver uma vida que faça sentido para nós e para escrevermos a nossa própria história. Afinal, quem aí quer chegar lá na frente e dizer: “nossa… como passou rápido! E eu não fiz nada que sonhava”…
Mude! Se ame! Você ainda está no jogo!

Kátia Olivieri é psicóloga e Coach de Mulheres e pós graduada em Marketing. Atua em consultório em Juiz de Fora e Bicas, é palestrante, fundadora e diretora da Femmina Desenvolvimento Humano – instagran:@femminadh, uma empresa que trabalha o autoconhecimento, fortalecimento  e desenvolvimento da  mulher.  Oferece Terapia Individual, Processos de Coaching individuais e em grupo e encontros presenciais (grupo terapêutico).

Contato: (32) 98441-1109

Comente este Post!
Scroll Up