HomeOpiniãoFINAL FELIZ

FINAL FELIZ

A gente se conforma em esperar dias melhores.

A gente se conforma em acreditar que, no final, tudo vai dar certo.

A gente se conforta pensando que… foi melhor assim.

A gente se enche de esperança, de novo, quando a vida dá sinais (mesmo que mínimos) de que a mudança vai chegar.

A gente se acostumou com a idéia de que o caminho é duro, mas que, no final, a felicidade vai ser “encontrada”.

A gente assimilou tanto essas idéias, por princípios religiosos ou filosóficos, que fica até preocupado quando as coisas vão bem e muitas vezes se pega pensando: “estou tão feliz que dá até medo”.

Parece que a felicidade presente vem acompanhada de culpa.  Culpa por estar recebendo o prêmio antes da hora, sabe?  Aquela culpa de alguém que se apropriou de algo que não lhe pertence “ainda”.  Culpa de alguém que olha para os lados e vê na luta dos outros motivo para se envergonhar das suas conquistas.

Numa analogia simples, é como se a viagem tivesse que ter turbulências e tempestades para o destino ser mais valorizado, ter um gosto de conquista. Mas será que está errado querer uma viagem tranqüila, prazerosa, olhando a paisagem bonita lá fora, sentindo o cheiro de mar (ou do mato molhado), vendo um lindo céu azul?  Será que é fraqueza ou covardia buscar esse caminho leve? Será que o final está comprometido se o durante nos trouxer felicidade?

Onde aprendemos que a dor é necessária e natural? Onde aprendemos que “não se deve esperar muito para o tombo não ser maior”? Pois tenho tentado falar sobre um mundo mais colorido e mais doce e mais leve para os meus filhos, dosando a medida certa entre a realidade e o sonho. Tarefa difícil? Fica fácil se eles te observarem praticando o que prega.

Pois que o universo saiba que quero um caminho de paz, uma viagem de luz e uma chegada triunfal! Quero me permitir me sentir realizada sem culpas ou medos. Quero paz no meu coração e harmonia nos meus pensamentos para poder gozar não só no final.

O que posso mais querer?! Quero ser ética, leal e fiel, mas livre e leve para conseguir sentir o sorriso vindo de dentro e não sendo colocado no meu rosto sem me pertencer. Quero me aprimorar sempre e fazer a vida de quem me cerca mais bonita.

Quero meu final feliz a cada dia. É assim que quero escrever a minha história: cada capítulo cheio de emoções, de desfechos, de resoluções e de conquistas e não deixar tudo para o último dia.

Quero ver piscando THE END (ouvindo uma linda música ao fundo) ao fechar os olhos a cada  noite e me sentir feliz e pacífica e não passiva diante das derrotas e postergações da vida, pois vivo meus dias um de cada vez, mas todos tendo seu sabor apreciado como num delicioso banquete: o banquete da minha vida. 

Quero uma caminhada plena de alegrias e conquistas e que a vida me permita prosseguir no meu “sonho” de construir hoje o meu final feliz de cada dia.

   Como tem sido o seu presente? Tem condicionado sua felicidade a quando tal situação se resolver ou determinada circunstância mudar? Não vamos esquecer que o futuro a gente constrói a cada dia e que ele nasce agorinha mesmo, assim… bem ao nosso alcance no aqui e no hoje.

   É difícil chegar lá longe? Vai por etapas, um passo de cada vez, mas sai do lugar. Porque a distância também é uma questão de perspectiva, motivação e  fé (em Deus, em você e nas suas convicções).

Kátia Olivieri é psicóloga, escritora, palestrante e Coach de Mulheres e pós graduada em Marketing. Atua em consultório em Juiz de Fora e Bicas e é fundadora e diretora da Femmina Desenvolvimento Humano – instagran:@femminadh, uma empresa que trabalha o autoconhecimento, fortalecimento  e desenvolvimento da mulher. Oferece Terapia Individual, Processos de Coaching individuais e em grupo e realiza encontros presenciais (grupo terapêutico e workshops).

Contato: (32) 98441-1109

Comente este Post!
Scroll Up