HomeRevista168 anos de Juiz de Fora

168 anos de Juiz de Fora

A cidade que, ao contrário do que muitos imaginam, atrai, sim, talentos e os retém. E não são poucos os fatores. O melhor mesmo é saber que promovemos a diversidade, avançamos economicamente, desenvolvemos negócios inovadores e nos tornamos cada vez mais competitivos. Além, é claro, de ser um lugar acolhedor para se viver…

 

“Eu cheguei a Juiz de Fora como moradora em 1997. É uma cidade que me acolhe como mulher, como trabalhadora, que reconhece o meu trabalho. Sou muito grata a ela que, cotidianamente, tem acolhido pessoas de diversas partes, não só do Brasil, mas de outros países. Essa cidade que, desde o primeiro momento, me recebeu, via UFJF, foi abrindo espaços para que eu me sentisse parte dela e é assim que eu me sinto. Falo como se, de fato, eu fosse daqui. Lógico que sem negar minhas raízes de nordestina. Sou uma piauiense apaixonada e encantada com meu estado, mas também tenho uma relação muito agradável, muito prazerosa com Juiz de Fora. Foi nessa cidade que constituí família, meu filho é juiz-forano e buscamos dar estímulo para que ele conheça e valorize o lugar em que nasceu e que possa, algum dia, contribuir com ele. Tenho um companheiro que também é mineiro. Tudo isso facilitou minha relação com a cidade. Temos trabalhado para contribuir com a cidade que se abre em tantas estradas e veredas, possibilitando que as pessoas que a escolheram como lar se sintam realmente acolhidas e confortáveis para permanecer aqui.”

 

Girlene Silva

Vice-reitora da UFJF

“Em 2001 trabalhava na Medquímica, em Belo Horizonte, e fui transferido para a planta fabril de Juiz de Fora. Em 2017, após sair da Medquímica, passei a empreendedor, montando a unidade da Saffi Consultoria em Juiz de Fora, maior rede do segmento no Brasil. Antes de ser convidado a assumir a posição definitiva em JF, durante os anos anteriores, tive a oportunidade de conhecer a cidade e fazer novos amigos. A escolha se deu pela receptividade, ambiente da cidade, clima e, principalmente, pelo desafio. Aqui encontrei condições de me graduar em administração no Granbery, me pós-graduar em gestão empresarial na FGV, parceira do Instituto Vianna Jr., ou seja, encontrei uma cidade com acesso à boa educação, trabalho e qualidade de vida. Temos uma boa estrutura de serviços como médicos, alimentação, ótimas escolas, áreas de lazer, shoppings próximos de casa e com boa estrutura, bons hospitais, quase todas as concessionárias de veículos, enfim, acesso à grande parte do que precisamos em nosso cotidiano, com certa facilidade. Tive oportunidade, na transição de carreira, de assumir posições de executivo em outros estados, mas preferi ficar e empreender. Aqui me casei, vejo meu filho crescer feliz e faço o que mais gosto: gestão empresarial.”

 

Evandro Rodrigues

Diretor da Saffi Consultoria

 

“Nasci na Suíça e aos 14 anos vim para o Brasil. Fui morar com minha família no Rio. Lá estudei Letras, na PUC, e trabalhei como professora na Aliança Francesa. Depois disso, fui com meu marido para Arraial d’Ajuda, na Bahia, onde também dava aulas de francês. Em 1997, meu marido e eu decidimos morar em Juiz de Fora, pois achamos que é uma cidade muito boa para criar os filhos. Como a família dele é daqui, a adaptação foi muito rápida. Os amigos dele me acolheram tão bem que tornaram tudo mais fácil. Minha filha nasceu em 1998 e eu comecei a trabalhar na Aliança Francesa, onde estou até hoje. Não penso em me mudar daqui porque acho Juiz de Fora uma cidade realmente muito boa para viver. Minha família toda mora no Rio e eu só vou lá para visitá-los.”

 

Alessandra Steiger

Professora de francês

 

“Nasci em Manaus, onde trabalhava como representante comercial. Em 1996 fui transferida para o Rio de Janeiro, mas não me adaptei. Em uma viagem conheci Juiz de Fora e me apaixonei. Vim com minha filha, a cara e a coragem. Isso foi em 1997. Iniciei uma sociedade no ramo de decoração, que não deu certo. Mas não desisti. Corri atrás, estudei estética e em 2000 montei o Karmajã Espaço Zen, um local para bem-estar e beleza. Aí me encontrei. Hoje possuo uma empresa consolidada, tenho respeito e reconhecimento. O acolhimento não poderia ter sido melhor. Fui acolhida pelas pessoas e pela sociedade. Tenho muito mais amigos aqui do que tive a minha vida toda em Manaus. Aqui, minha filha fez faculdade e mestrado. Sou muito grata. Acredito que houve uma troca justa, ofereci meu trabalho e recebi amparo e solidariedade. Estou muito feliz por viver na princesinha de Minas.”

 

Marly Nunes dos Santos

Esteticista e empresária

 

“Sou de Fortaleza, no Ceará, e estou em Juiz de Fora desde 1992. Antes, passei por Porto Velho e São Paulo. Migrar não é tarefa fácil. Se busca a mudança considerando três perspectivas: pessoais, profissionais ou afetivas. Se aspira desenhar novas histórias e estórias em nossa trajetória. No meu caso, a vertente foi profissional. Sempre aspirei a vida acadêmica e cá vim fazer um concurso na antiga Faculdade de Economia e Administração da UFJF, passei e fixei residência. Tinha como plano morar em JF por dois a três anos e depois alçar novos voos. No entanto, o acolhimento e a hospitalidade dos Juiz-foranos me fizeram enraizar. Cresci na minha profissão e novas possibilidades/oportunidades surgiram. Essa cidade tem charme, encanto…. é pulsante. Oh! Minas Gerais quem te conhece, não esquece jamais. Viva!

 

José Humberto Viana

Professor universitário

 

“Sou formado em Gestão Hoteleira, trabalhava em São Paulo num ritmo muito frenético, afinal, estamos sempre em busca do sucesso, queremos ser bem-sucedidos, alcançar os melhores cargos. Mas, chega um momento em que vemos que isso não é tudo. Nesse processo de reflexão sobre ser bem-sucedido ou ter qualidade de vida, eu conheci Juiz de Fora. Vi que até a questão de deslocamento seria fácil, eu estaria próximo de São Paulo, do Rio e teria uma condição de vida diferente. Foi uma escolha. Além disso, tenho família que mora próximo, em Barbacena, e ganhei a possibilidade de conviver com eles. Estar em São Paulo foi muito bom, foi onde eu consegui conquistar mercado e me posicionar profissionalmente, mas com a chegada dos 40 anos eu comecei a refletir sobre o que era mais importantes e, por isso, achei que estar em Juiz de Fora era uma boa alternativa. Ela me oferece qualidade de vida, amizade, é uma cidade que me acolheu muito bem. Me permitiu também exercitar uma outra área da minha formação profissional, que é lecionar. Sou professor em duas instituições. Tenho convivido com alguns colegas e posso implementar projetos que eram destinados aos grandes centros. É uma cidade que acolhe bem, que tem vocação, tem receptividade, tem afeto. Fico muito feliz por estar aqui em Juiz de Fora.”

 

Marco Morais

Professor

 

“Juiz de Fora, é uma cidade de contrastes, no início parece ser uma cidadezinha porque suas montanhas não permitem ter uma ideia completa de seu tamanho. Gosto de sua dinâmica, bem como sua arquitetura, sua história e a variedade de seu clima, especialmente para aqueles que, como eu, vêm de uma cidade a 2.600 metros de altitude (Madrid, Colômbia), onde o frio e a mudança climática são inesperadamente normais como aqui. Já faz quatro anos que eu estou morando em Juiz de Fora, tem sido uma época de aprendizado constante. Atualmente sou professor de espanhol na Park Idiomas. Ano passado terminei meu mestrado em educação e agora estou começando o doutorado em Ciências Sociais na UFJF, porque sei que é uma universidade com programas de qualidade. Juiz de Fora, para mim é uma cidade que oferece oportunidades para os estrangeiros. Embora não seja fácil começar numa terra distante, o jeito das pessoas fez com que minha adaptação fosse mais tranquila, elas são hospitaleiras, gentis e aconchegantes. Em resumo: “gente boa”. Quando estou no meu país, é difícil não falar da Manchester mineira. Juiz de Fora, parabéns pelo seu Aniversário!”

 

Carlos Alberto Moreno Gonzales

Professor de espanhol

 

Seja o primeiro a comentar

comente

Scroll Up