HomeRevistaClube de Tiro Juiz-Forano

Clube de Tiro Juiz-Forano

Para defesa ou esporte, praticar tiro com responsabilidade contribui para a segurança pessoal e até para a saúde

Polêmicas à parte, a verdade é que a prática de tiro vem crescendo em todo o Brasil. E tem motivo: além dos benefícios como o aumento da resistência física e do controle emocional, melhora da concentração e da disposição diária e de ser excelente para aprender a lidar com as tensões e pressões do dia a dia, o esporte pode ser, sim, muito divertido. Prova disso é que em Juiz de Fora já funciona a todo vapor o único espaço indoor da modalidade, o Clube de Tiro Juiz-Forano. Criado há cinco anos, possui um instrutor credenciado na Polícia Federal, que aplica provas para emissão e renovação de certificado de registro de arma de fogo, além do ensino, treinamento defensivo e também lazer. O negócio vem crescendo a olhos vistos. Mas o mais interessante mesmo foi o aumento do perfil de quem procura essa prática – as mulheres.

Adriano Cruz de Oliveira Novaes, que ao lado do sócio Luiz Antônio Lemos, administra o clube, explica que grande parte dos atiradores credenciados, entre eles médicos, juízes, promotores e empresários praticam esta categoria e, claro, gostam muito. “Alguns são bem assíduos, chegam a vir duas ou três vezes por semana. E todas as quintas-feiras realizamos um treinamento noturno. Para parte deles é um torneio, para outra, é instrução, porque ensinamos a parte do tiro prático”, conta.

Para os empresários, desmistificar é primordial. “O que falta, muitas vezes, é esclarecimento. As pessoas têm a ideia equivocada de que vão entrar numa loja, comprar uma arma e sair atirando. Não é assim. Aqui praticamos o tiro dentro de um rigoroso controle de qualidade e de segurança”, explica Adriano, que também é instrutor.

Segurança, aliás, é a palavra-chave para o Clube de Tiro Juiz-Forano. Todos os ambientes são monitorados por câmeras, o amplo stand é revestido de espuma antirruído e antichamas, atendendo às normas do Corpo de Bombeiros. Óculos especiais e abafadores para minimizar os estampidos fazem parte dos equipamentos obrigatórios, o que não deixa o atirador muito bonito, mas bastante seguro. Ah, ninguém tem autorização para entrar no stand com a arma carregada – isso será feito lá dentro, na presença de um instrutor -, nem mesmo os policiais em treinamento. Uma caixa na entrada serve para descarregar a munição. “Também merece ser destacada a acessibilidade para cadeirantes, porque aqui, todos são benvindos”, reforça Adriano.

Sexo frágil, que nada…

Já que estamos falando em segurança, um novo público desponta entre os credenciados: o das mulheres. Se antes, de acordo com Adriano, elas se limitavam a acompanhar os maridos, hoje a situação mudou. A procura pelo treinamento defensivo cresce vertiginosamente. “A mulher hoje está empoderada. Ela quer segurança pessoal e para a família, quando for o caso, e procura fazer isso de forma muito responsável e o que é imprescindível, dentro da legalidade”, ressalta o instrutor. E ele completa. “Tenho que confessar que as mulheres possuem uma pontaria muito melhor do que a dos homens. Isso porque elas são mais concentradas, conseguem focar no alvo e prestar atenção nas nossas recomendações. Têm, de fato, muito talento”. Alguém tinha dúvida?

Comente este Post!
anterior
próximo
Scroll Up