HomeRevistaDelegada Sheila

Delegada Sheila

Em entrevista, vereadora aponta política como instrumento de transformação

Ela é uma mulher que luta pelos seus sonhos. É forte e determinada, delegada há 12 anos e há 18 na Polícia Civil. Foi eleita a vereadora mais bem votada da história de Juiz de Fora, com quase 10 mil votos, e a primeira mulher a ocupar o cargo de delegada Regional da cidade e Zona da Mata. Disciplinada, acorda cedo, batalha desde as cinco horas da manhã para dar conta de todas as funções: casada, mãe de quatro filhos, delegada, vereadora e palestrante. Na Câmara Municipal, abraça as causas das mulheres, das crianças e da segurança, encabeçando campanhas e ações contra violência, drogas, enfrentamento de gangues e pedofilia. Na segurança pública, é referência de operacionalidade e planejamento. Nas escolas e instituições, trabalha pela prevenção da criminalidade. Quem olha de fora e vê o rosto ainda jovem não tem ideia da experiência de vida. Uma vida intensa de quem sabe que é preciso agir, e não cruzar os braços diante dos obstáculos. A Pauta Econômica teve o prazer de conversar com a Delegada Sheila e falar sobre o futuro, que ela enxerga com olhos de transformação.

Pauta – Pode contar um pouco de sua trajetória profissional?

Delegada Sheila – Nasci no interior de São Paulo e me formei em Direito. Lá ajudava meu pai, fazia faculdade, estudava para concurso e também foi lá que passei no primeiro, para agente comunitária de saúde. Depois passei em outro, para a Polícia Civil do estado do Rio de Janeiro e depois para a de Minas. Fui lotada em Ubá e, após, transferida para Juiz de Fora, cidade que escolhi para criar raízes. Aqui tive meus filhos, fui delegada de Plantão, coordenei algumas Delegacias Distritais, fui titular do Núcleo de Ações Operacionais (NAOP), delegada de Mulheres e delegada de Trânsito, além de ser a primeira mulher a ocupar o cargo de delegada regional de Polícia Civil de Juiz de Fora.

Você é apontada em algumas pesquisas extraoficiais como um dos vereadores mais atuantes e lembrados na cidade. A que se deve esse fato?

Trabalho. Minha rotina chega a ser exaustiva, mas não paro. Eu e meus irmãos fomos acostumados a trabalhar desde cedo. Levei também a operacionalidade, o planejamento, e a experiência da Polícia Civil para o Legislativo. E lá procurei abraçar as causas que acredito e defendo. Assim, fazendo o que se gosta, o trabalho dá muito mais resultado. Encabeço várias campanhas na cidade de Juiz de Fora, como “Juntos contra a Pedofilia” e “Carnaval Sem Assédio”. Propus a criação da CPI de Combate às Gangues, além de ser presidente das comissões da Mulher, de Segurança, de Combate à Pedofilia e integrante do grupo especial de Enfrentamento às Drogas. Também levei essas discussões para escolas e outras instituições, trabalhando a prevenção.

Por que a política? E o que te leva a ser pré-candidata a deputada estadual?

Muita gente me faz essas perguntas. Vários são os motivos, mas o principal deles é que sou mãe, e temo o mundo que meus quatro filhos encontrarão. Quando me deparei com o triste quadro de crise na segurança, crise política, ética e moral no país e na cidade, tive apenas duas opções: cruzar os braços como sinal de descrédito e indiferença, ou me levantar, como um agente de transformação desse sistema. Preferi agir, porque creio que é possível transformar nosso descontentamento em mudanças. E a política é meu instrumento. Nós não podemos mais perder nossas crianças e jovens para a criminalidade. Precisamos lutar com as armas que temos, e percebi que estando nesta esfera é possível fazer mais pelos cidadãos de bem, é possível fazer diferente, falar de valores, de transformação.

Legendas:

Sheila, o marido, o juiz Elias Aparecido, e o filho José (mais velho) e os trigêmeos Moisés, Marcos e André

Comente este Post!
Scroll Up