HomeRevistaSolus Oncologia aposta em tratamento humanizado

Solus Oncologia aposta em tratamento humanizado

Clínica não mede esforços para garantir qualidade de vida de seus pacientes

Com cinco oncologistas em seu corpo médico, a Solus Oncologia oferece um tratamento diferenciado para seus pacientes

Ao entrar pela primeira vez na Solus, sem dúvida, a surpresa é inevitável. Em uma área da medicina, onde a desinformação domina na sociedade, uma pessoa comum espera que uma clínica de tratamento do câncer seja um lugar envolto em uma aura pesada, em que nem sempre o melhor nos aguarda.

Na Solus Oncologia é diferente. O corpo médico emprega seus conhecimentos como instrumento para melhorar vidas e mostrar o caminho para pessoas que se encontram física e psicologicamente afetadas pelo câncer e as peculiaridades do tratamento.

Esse objetivo é identificado logo na sala de espera. Quem ali aguarda tem uma grata surpresa, pois o ambiente é acolhedor. Mesmo com a aparelhagem de alta tecnologia para o tratamento do câncer, é nítida a percepção de que se está em uma clínica de ambiente humanizado, diferente dos consultórios tradicionais.

Hoje, a Solus conta com equipe multidisciplinar, várias especialidades ligadas ao tratamento de câncer e cinco oncologistas, todas especializadas em seu campo de trabalho. Enxergam o processo do câncer como uma terapia multifacetada e complexa, onde até o menor dos aspectos que o influenciam é cuidado com atenção.

DRª Tatyene Nehrer

A DRª Tatyene Nehrer, oncologista-chefe e sócia da clínica, defende que “a missão da Solus, fundada em 2013, é tornar a Oncologia uma experiência muito mais humanizada para seus pacientes. Coisa que as escolas de medicina ainda negligenciam na formação de seus alunos”.

A diretora da clínica é enfática ao assegurar que a filosofia de trabalho voltada para o atendimento individualizado, contemplando todos os aspectos do paciente, é fundamental.

“Isso é muito importante em todas as áreas da medicina, mas ainda mais na Oncologia. Aqui temos pacientes extremamente fragilizados, que chegam carregados de estigmas datados em relação à palavra câncer. A proposta da Solus é criar uma estrutura extra hospitalar para acolher esse paciente e toda sua família, não apenas no aspecto físico, mas também emocional”, afirma a Drª Tatyene.

“Nosso propósito, quando abrimos a Solus, era trazer um enfoque diferente ao tratamento oncológico. Além da formação técnica, que todos temos aqui; além das atualizações, que sempre estamos buscando, existe um outro lado, que só é aprendido na prática diária.”

Oncologistas revelam alicerces de um tratamento bem-sucedido

Se a clínica consegue se preocupar tanto com o bem estar de seus pacientes, é devido à competência de sua equipe. O corpo clínico é composto por especialistas em Oncologia e também em ramificações da própria área, que exigem uma grande carga de conhecimentos diversos, até mesmo entre as diferentes neoplasias.  Tivemos o prazer de conversar com elas, que mostraram como a clínica, que atende uma média de 200 pacientes por mês, trabalha pesado para transformar a vida dessas pessoas.

Drª Raquel Obolari

Drª Raquel Obolari – Oncopediatra

PAUTA: Se especializar em Oncologia já é um grande desafio, e a Oncopediatria parece um degrau ainda mais difícil. Como é encarar o câncer em pacientes tão jovens como crianças?

Raquel Obolari: Na verdade, as crianças aceitam e lidam com a doença muito melhor do que adultos. Elas ainda não possuem os medos e desinformações enraizadas que adultos têm, graças ao tratamento de “tabu” que a doença recebe. As maiores distinções vêm no aspecto técnico, devido as diferenças fisiológicas entre uma criança e um adulto. Vale ressaltar também que, em crianças, a chance de cura é de mais de 80%, o que deixa familiares muito mais otimistas.

Drª Míriam Melquíades

Drª Míriam Melquíades – Oncogeneticista

PAUTA: A Oncogenética é uma área recente no tratamento do câncer. Como ela contribui para o combate à doença?

Míriam Melquíades: A Oncogenética procura encontrar e até prevenir o câncer em pacientes que ainda não desenvolveram a patologia, mas possuem predisposição genética a desenvolverem o problema, como acontece em famílias com vários parentes afetados. Isso permite que consigamos até prevenir ou tratar a doença em estágios muito iniciais, o que aumenta grandemente as chances de sucesso.

Drª Milena Ribeiral

Drª Milena Ribeiral – Oncologista

PAUTA:  A medicina cobra de seus profissionais que sempre estejam atualizados. Na Oncologia, essas novas descobertas têm ainda mais impacto?

Milena Ribeiral: A neoplasia muda o tempo todo. Tanto em relação ao diagnóstico quanto em relação à novas drogas para o tratamento. Hoje, o paciente, que é diagnosticado com câncer, tem a perspectiva da cura ou do acompanhamento como qualquer outra doença crônica, melhorando sua qualidade de vida. Ainda é uma doença de difícil tratamento, mas não possui mais a terrível carga que a acompanhava antigamente. Aqui, fazemos o melhor para que nossos pacientes possam levar suas vidas o mais normal possível.

Drª Tatiane Neto

Drª Tatiane Neto – Oncologista

PAUTA: A quimioterapia e a radioterapia são muito temidas por serem considerados tratamentos agressivos. Quais são os novos avanços no tratamento do paciente com câncer ?

Tatiane Neto: Atualmente, temos novas terapias que mudaram toda a maneira como se trata o câncer. A Imunoterapia, por exemplo, estimula nosso sistema imunológico a combater as células cancerígenas. A Terapia-Alvo funciona de outra maneira,  combatendo especificamente as células afetadas através de medicamentos. São apenas duas terapias que surgiram dentro de inúmeros estudos, cada um deles promovendo o avanço na área e trazendo procedimentos mais modernos e com menos efeito colateral, possibilitando mais qualidade de vida ao paciente.

Comente este Post!
Scroll Up