HomeRevistaITC Vertebral e Centro de Reabilitação Gabriela Ferreira inovam mais uma vez

ITC Vertebral e Centro de Reabilitação Gabriela Ferreira inovam mais uma vez

Acaba de ser lançada a fisioterapia pélvica para incontinência urinária e disfunções sexuais femininas

O que já era excelente, acaba de ficar ainda muito melhor! No ITC Vertebral e Centro de Reabilitação Gabriela Ferreira, os pacientes encontram um programa de tratamento não cirúrgico completo para diversos tipos de lesões. Desde a coluna vertebral, como hérnia de disco lombar ou cervical, dor ciática, cervicalgia e lombalgia, à atendimento ortopédico e traumatológico para mãos, pés, braços, pernas e articulações, além de assistência domiciliar, caso haja dificuldade de deslocamento. Mas, tudo isso não bastava. Haviam outras demandas sempre apresentadas e, com isso, agora também existem mais soluções sendo oferecidas!

A mais recente novidade é o lançamento da Fisioterapia Pélvica. É uma área da Fisioterapia que atua na prevenção e no tratamento de problemas relacionados à musculatura do assoalho pélvico, para beneficiar as mulheres. Esses músculos são responsáveis por apoiar a bexiga, útero e reto, consequentemente, ajudam a “segurar” a urina e as fezes, além de favorecer uma atividade sexual satisfatória e prazerosa.

“Desde criança, sofria por não poder rir muito, pular demais… Sempre acabava escapando um pouco de urina. Depois de três gravidezes, com partos normais, a situação piorou bem. Não queria passar por nenhuma intervenção cirúrgica e acabei optando pela fisioterapia íntima. Hoje, nem de longe, sofro com este problema. Resolveu por completo. Ganhei tranquilidade, qualidade de vida e, por incrível que pareça, melhorou bastante a minha performance sexual, porque aprendi a ter controle sobre meu corpo. Super indico a todas as mulheres, que têm, ou até para as que não possuem este desconforto. O resultado é fantástico!”

O depoimento da empresária, Daise Cunha, poderia ser o seu ou de alguma conhecida. A diferença é que, na maioria dos casos, as mulheres, por vergonha, preferem não se expor e, muito menos, procurar por um tratamento. Mas, saiba que a incontinência urinária e várias outras disfunções sexuais femininas podem ser curadas com a Fisioterapia Pélvica.

A fisioterapeuta do Centro de Reabilitação, Daniele Bortoloso, afirma que as disfunções do assoalho pélvico afetam intensamente a qualidade de vida das pacientes, comprometendo o bem-estar físico, emocional, psicológico, social e sexual. “São condições clínicas que acometem um número crescente de mulheres a cada ano. Muitas delas acreditam que essas disfunções são um problema normal, mas isso não é verdade! É comum, mas nunca normal. A incontinência urinária, por exemplo, é considerada pela Organização Mundial de Saúde (OMS), um problema de saúde pública, que afeta mais de 200 milhões de pessoas no mundo – entre homens e mulheres. Nas pessoas com idade superior a 60 anos, acredita-se que de 30 a 60% tenham incontinência. Mas, sabe-se que as mulheres estão mais propensas a desenvolverem”, explica.

Mas, e o tratamento, como é feito? Ele consiste no treinamento e conscientização dos músculos do assoalho pélvico, auxiliado ou não, por eletroestimulação ou biofeedback, terapia comportamental e exercícios direcionados que atuam melhorando a qualidade de vida das pacientes. “Somente um especialista pode avaliar as necessidades de cada pessoa e indicar o procedimento adequado. Por isso, uma avaliação detalhada por um profissional qualificado é imprescindível”, afirma Daniele.

A fisioterapia pélvica também pode e deve ser utilizada como forma de prevenção nas disfunções do assoalho pélvico. “Podemos evitar diversos problemas, mas, para isso, também é necessária uma avaliação detalhada de cada paciente”.

Algumas áreas de atuação da Fisioterapia Pélvica

Incontinência urinária:

Incontinência urinaria de esforço: perda involuntária de urina ao tossir, espirrar, correr, pular, fazer exercício físico, rir, ou seja, ao realizar algum esforço.

Incontinência urinária de urgência: vontade incontrolável de urinar, que ocorre em meio as atividades diárias e a pessoa perde urina antes de chegar ao banheiro.

Incontinência mista: associa os dois tipos de incontinência acima

Disfunções sexuais femininas:

Vaginismo: contração involuntária dos músculos da vagina. Causa dor e dificuldade/incapacidade de penetração vaginal

Vulvodínia: caracterizada pela ardência e dor na região genital

Dispareunia: dor na relação sexual

Anorgasmia: dificuldade ou incapacidade de atingir o orgasmo

Incontinência fecal/ constipação intestinal / anismo (relaxamento inadequado do assoalho pélvico durante a evacuação)

Pré e pós cirurgias de prolapsos de órgãos

Dor pélvica

Fisioterapia pélvica

 

“Sou cabeleireira e trabalho há mais de 40 anos em pé, olhando para baixo, muitas vezes, com a postura errada. O resultado foram hérnias na coluna e dores fortíssimas. Tratei por mais de 20 anos, sem resultados efetivos. Em princípio, a indicação médica era de exercícios e, caso não melhorasse, eu teria que fazer uma cirurgia. Decidi tentar mais uma vez e acertei ao procurar o ITC. Antes eu dependia de medicação, hoje já não tomo mais. A dor, que era constante, agora é esporádica. Minha vida está bem mais leve, pelo fato de não ter dor. Consigo fazer coisas simples, como ir ao supermercado e carregar as sacolas, o que já nem fazia mais. Ganhei qualidade de vida e continuo trabalhando muito, como eu gosto. Enquanto eu estiver trabalhando dessa forma, vou continuar com eles.”

Jael Pifano, cabeleireira

 

“Sempre gostei de praticar esportes. Era muito ativo na juventude, isso me permitiu chegar aos 101 anos sem grandes problemas. Sinto algumas dores nas costas e no joelho, mas depois da fisioterapia, fico muito bem.”

José Ganimi, 101 anos, paciente de fisioterapia em domicílio

 

“Estava lavando o quintal de casa, quando escorreguei na água com sabão. Caí de joelhos e percebi que era algo grave, devido à dor e ao barulho que fez. Quebrei a patela, que se dividiu em duas. Passei por cirurgia e tive que fazer fisioterapia. Procurei um outro local, mas não houve progresso, pelo contrário, as dores pioraram. Estava quase desistindo, quando encontrei o Centro de Reabilitação Gabriela Ferreira. A perna afinou bastante, perdeu muita massa muscular, não tinha movimentos direito. Na cirurgia foram colocados dois ganchos e amarrações. Sem contar o lado emocional, que ficou muito abalado. Precisei da fisioterapia em casa e fui muito bem atendida. Fui tratada com carinho e paciência, tanto que a recuperação foi rápida e eficiente. Já terminei as sessões e faço hidroginástica. Já estou boa, subo e desço escada, dobro a perna completamente. Ter encontrado o Centro de Reabilitação fez toda diferença na minha recuperação.”

Eliete Arnone Lopes, psicóloga, paciente de fisioterapia em domicílio

 

“Sentia muitas dores na coluna e no joelho. Procurei várias clínicas, mas as dores persistiam. Até que minha filha me contou sobre um lugar em que a gente entra com dor e sai curado. Estou há três meses no ITC, quase sem dor e muito animada. O melhor, é o atendimento individualizado, feito exclusivamente para mim.”

Vera Ganimi, 82 anos

 

“Nasci com um problema nos pés e fui operado ainda criança. A consequência foi uma diferença de 1,7cm de uma perna para outra. Passei muitos anos mancando, mas há três as dores na coluna e no joelho, agravadas pelo peso que carregava no trabalho, começaram a limitar meus movimentos e a mobilidade. Em dezembro, procurei o ITC e estou terminando meu tratamento. Senti uma melhora considerável, com certeza, mais de 80%. Estou muito satisfeito com o tratamento.

David Duarte Angelo, 71 anos

 

Para cada caso, um tratamento diferenciado

Os relatos acima refletem a realidade de muitos brasileiros, cerca de 95% convivem diariamente com algum tipo de dor no corpo, segundo uma pesquisa da Global Pain. São transtornos que afetam o dia a dia das pessoas de diferentes maneiras, e isso não pode ser mais um obstáculo!

Justamente pensando em prover soluções não cirúrgicas para seus pacientes, a fisioterapeuta Gabriela Ferreira, que comanda uma equipe de profissionais altamente capacitados em seu Centro de Reabilitação, defende o emprego da Fisioterapia Ortopédica como forma de promoção de um atendimento integral.

Com isso, a boa notícia é que, no ITC Vertebral e Centro de Reabilitação Gabriela Ferreira, os pacientes contam com tratamentos para diversos tipos de lesões. Desde a coluna vertebral, como hérnia de disco lombar ou cervical, dor ciática, cervicalgia e lombalgia, à atendimento ortopédico e traumatológico para mãos, pés, braços, pernas e articulações, até assistência domiciliar.

Para cada caso, um procedimento estritamente individualizado. Por exemplo, existe um grupo de pacientes que irá se beneficiar, primeiramente, de exercícios chamados de estabilização vertebral. “Eles têm como objetivo ensinar métodos de respiração e ativação da musculatura profunda do abdômen, bem como os músculos da pelve, para manter a coluna lombar estável e prevenir futuras crises e/ou sintomas de dor lombar”, esclarece Gabriela.

A localização da dor vai ditar o tipo de tratamento a ser desenvolvido. “Primeiro é necessário uma avaliação, mesmo se o paciente já passou por uma consulta com médico. Nesse contato inicial, vamos analisar os sinais e sintomas, fazer testes clínicos e decidir sobre a melhor conduta! Para cada tipo de dor ou lesão há uma técnica a ser seguida. Seja ela através da maca de tração eletrônica, maca de flexo descompressão, no caso das dores na coluna, ou da fisioterapia manual, eletroterapia e exercícios no caso de outras lesões e traumas. Após essa detalhada avaliação fisioterapêutica, o paciente será classificado e direcionado para a reabilitação específica, e já receberá um primeiro atendimento”, destaca Gabriela. “É importante ressaltar o alto nível de satisfação dos pacientes. Então, antes de desistir, é preciso saber que seu problema tem solução”, conclui.

Reeducação alimentar e Pilates completam os tratamentos

 E, para que o atendimento seja completo e diferenciado, o Centro de Reabilitação Gabriela Ferreira traz mais uma novidade ao oferecer também o acompanhamento nutricional. “Desenvolvemos um trabalho voltado para reeducação alimentar. Nada de dietas restritivas, a não ser que o paciente possua algum problema de saúde que necessite de restrição, como é o caso dos celíacos”, explica a nutricionista Larissa Almeida. Segundo ela, tudo é personalizado de acordo com a demanda levada ao consultório. “O objetivo é fazer com que esse processo seja duradouro. É reeducação de verdade”, conta ela que liberou o WhatsApp para que os pacientes tirem todas as dúvidas.

Outro trabalho disponibilizado pelo ITC e Centro de Reabilitação Gabriela Ferreira é o Pilates, em parceria com o Studio Marcos Ribeiro. Entre os benefícios dessa prática estão melhora da flexibilidade, do alinhamento postural, do condicionamento físico, além do ganho de consciência corporal, coordenação motora e equilíbrio. Isso tudo utilizando exercícios de baixo impacto. O fisioterapeuta Marcos Junqueira Ribeiro afirma que as aulas são adaptadas para cada aluno, de acordo com sua necessidade ou limitação. “Por exemplo, indicamos os movimentos para o alívio das dores agudas e crônicas. As atividades realizadas, provocam o aumento da circulação sanguínea, ajudando a reduzir a intensidade da dor, relaxando os músculos, diminuindo a tensão existente na estrutura muscular”. O ideal, de acordo com Marcos, é que seja realizado duas ou mais vezes por semana.

Comente este Post!
Scroll Up